Café da Manhã

A redução das tensões no Médio Oriente e o acordo comercial dos EUA com a China a aproximar-se elevam de novo a confiança dos investidores.


Depois de uma Europa dividida entre perdas no Continente e ganhos no Reino Unido, Wall Street terminou o primeiro dia da semana de novo em ganhos registando novos máximos históricos.
O índice Dow Jones foi o que menos subiu, ganhando apenas 0,29%, o S&P 500 avançou 0,70%, enquanto o índice Nasdaq liderou, ganhando 1,04%.

Entretanto, a administração Trump levantou a designação da China como manipulador cambial numa importante mudança de posição dos EUA, que poderá dar aos investidores mais confiança nas relações entre Washington e Pequim.

Na Ásia as acções continuaram a negociar em terreno positivo, com excepção da China, onde a subida do yuan, depois do anúncio norte-americano, pressionou o mercado de acções.
Os mercados nipónicos voltaram do fim-de-semana prolongado e os índices Nikkei e Topix seguiram o sentimento dos seus congéneres, avançando respectivamente no final da sessão 0,73% e 0,31%.
Na Austrália o índice ASX 200 ganhou 0,85%. Na China o índice Shanghai Composite recuou 0,28% e em Hong Kong o Hang Seng 0,39%.

Os mercados accionistas na Europa estão a começar o dia de hoje em perdas ligeiras com o índice Euro Stoxx 50 a perder 0,40% e o Dax alemão 0,03%. Em Londres, o FTSE 100 recua de momento 0,11%.